Geral 14/07/2017 - 16:30 - Suene Moraes/Governo do Tocantins

Instituições são indicadas para compor Conselho Consultivo do Mosaico do Jalapão

Reunião para a consolidação do Mosaico Jalapão Reunião para a consolidação do Mosaico Jalapão - Fernando Alves/Governo do Tocantins
Para Ana Cláudia, quilomboas são agentes atuantes em prol do fortalecimento da preservação na área do Jalapão Para Ana Cláudia, quilomboas são agentes atuantes em prol do fortalecimento da preservação na área do Jalapão - Fernando Alves/Governo do Tocantins
Analista Ambiental do IcmBIO, Ana Carolina Barrados, destaca participação integrada Analista Ambiental do IcmBIO, Ana Carolina Barrados, destaca participação integrada - Fernando Alves/Governo do Tocantins

A ação para a composição do Conselho Consultivo do Mosaico do Jalapão teve as indicações realizadas pelo público e 13 instituições deverão integrar essa mais nova instância participativa. O encontro que finaliza neste sábado, 15, ocorre no Centro de Convenções do município de Almas, sendo uma realização do Governo do Tocantins, via Secretaria do Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Semarh) em parceria com o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), Instituto de Desenvolvimento Rural (Ruraltins), Ministério do Meio Ambiente, Instituto Natureza do Tocantins (Naturatins), KFW, Caixa Econômica Federal, Ibama, Agência de Cooperação Alemã/GIZ, e outros.

A formação do Conselho é uma exigência da portaria 434/2016 do Ministério do Meio Ambiente, que reconheceu o Mosaico do Jalapão, que engloba nove unidades de conservação nos estados do Tocantins, Piauí e Bahia. A posse dos membros está prevista para ainda este semestre.

Com a participação de mais de cem pessoas, conforme ressaltou a técnica da Semarh, Cristiane Peres, a reunião está sendo positiva e a representação participativa mostra que o Mosaico do Jalapão será uma ferramenta essencial para a região. “Conseguimos a atuação integrada de segmentos no âmbito estadual, federal, municipal, ONGs e comunidades quilombolas”, reforçou. Durante o encontro, a técnica destaca que 11 temas foram escolhidos para os futuros trabalhos do Mosaico do Jalapão. “Foram 11 conteúdos, porém quatro assuntos foram considerados prioritários: o fogo, o turismo, a fiscalização integrada e os quilombolas”, adiantou Cristiane Peres.

A analista ambiental do ICMBio, Ana Carolina Barrados, apontou que as nove unidades de conservação que fazem parte do Mosaico do Jalapão estão interligadas. “O Mosaico é um instrumento que oportuniza a governança participativa, já que envolve diferentes instituições de governo e civis”, avaliou.  Outro ponto levantado por Ana Carolina é a dimensão territorial, pois são mais de 3 milhões de hectares envolvidos. “Temos que trabalhar não colocando um limite restrito à determinada unidade de conservação, mas analisar com uma lente mais ampliada e o Mosaico vai fortalecer o enfrentamento dos desafios que fazem parte, como os incêndios, a monocultura e outros”, finalizou.

O vice-presidente do Naturatins, Edson Cabral, ressaltou que a atual gestão está empenhada em fortalecer as unidades de conservação e que o Mosaico do Jalapão tem grande importância na preservação desta grande área contínua de Bioma Cerrado. “Nós acreditamos que o Mosaico do Jalapão fortalece todas as unidades e o Naturatins tem apostado no fortalecimento das unidades que é responsável através de várias ações”, frisou. Ele destacou ainda que o Governo do Tocantins tem dado integral apoio ao Mosaico do Jalapão, especialmente na formação do Conselho.

Participação

Representando a Comunidade Quilombola Mumbuca, Ana Cláudia Matos enfatizou este como um momento de união em prol da preservação da vida e da natureza. “E nós quilombolas somos agentes atuantes dentro deste cenário. Vemos as diversidades e podemos contribuir para as soluções de cada desafio”, afirmou. A representante destacou que na região do Jalapão existem 18 núcleos de comunidades quilombolas em cinco territórios.

Indicações

Ao todo 13 instituições foram indicadas para compor o Conselho Consultivo do Mosaico Jalapão: Estação Ecológica Serra Geral do Tocantins; Parque Nacional das Nascente do Rio Parnaíba (BA e PI); Parque Estadual do Jalapão (TO); Área de Proteção Ambiental (APA) Jalapão (TO); APA do Rio Preto (BA); Estação Ecológica do Rio Preto; Secretarias Municipais do Meio Ambiente dos municípios de São Felix (TO),  Almas(TO), Formosa do Rio Preto (BA) e Santa Rita de Cássia (TO); Centro de Monitoramento Ambiental e Manejo do Fogo (Cemaf), instituição da Universidade Federal do Tocantins em parceria com a Semarh; Universidade Federal do Oeste da Bahia; ong 10envolvimento;  ong Alternativas para a Pequena Agricultura no Tocantins (APA-TO) ;  Coordenação Estadual das Comunidades Quilombolas do Tocantins; Associação Quilombola NBC; Associação de Brigadistas Formosa do Rio Preto (BA); Associação de Brigadistas do Rio da Conceição (TO); Cadetral do Jalapão; Associação de Turismo do tocantins (ATTR); e Quênio Turismo.

Compartilhe esta notícia