Geral 01/11/2019 - 11:24 - Robson Corrêa/Governo do Tocantins

Papel da silvicultura na preservação e combate a incêndios é destaque no Wildfire Brasil 2019

Da esquerda para a direita: German Neumann da Corporação Chilena de La Madeira (Corma), Patrício Sanchueza da Corporação Nacional Floresta do Chile, Alejandro  Castaño Vasquez da Smurfit Kappa Colômbia, , Denivaldo Toledo da Companhia de Melhoramento Florestal Brasil. Da esquerda para a direita: German Neumann da Corporação Chilena de La Madeira (Corma), Patrício Sanchueza da Corporação Nacional Floresta do Chile, Alejandro Castaño Vasquez da Smurfit Kappa Colômbia, , Denivaldo Toledo da Companhia de Melhoramento Florestal Brasil. - Robson Corrêa/Governo do Tocantins

O uso das tecnologias por empresas de silvicultura em favor da prevenção e combate a incêndios florestais foi tema de uma das oficinas da 7° Conferência Internacional Sobre Incêndios Florestais - Wildfire Brasil 2019. O evento teve início no dia 28 deste mês na cidade de Campo Grande/MS e conta com a presença de mais de mil pessoas representando 41 países.

O objetivo da oficina realizada nesta quinta feira, 31, dentro do Wildfire Brasil foi compartilhar a experiência e os resultados que a empresa Companhia de Melhoramento Florestal alcançou com a inclusão de tecnologias de monitoramento e combate a incêndios que acontecem frequentemente dentro das propriedades.

O Diretor florestal e de suprimentos da companhia, Denivaldo Toledo ressalta que “a empresa otimizou o tempo de acesso dos brigadistas aos focos de queimadas através do uso de drones, kits de combate a incêndios e um bom sistema de comunicação com rádios e celulares. Ainda segundo diretor, a conferência “proporciona o compartilhamento de experiências para o conhecimento de realidades diferentes, e isso pode motivar as outras pessoas a seguirem os caminhos que foram apresentados aqui hoje”.

A companhia possui fazendas nos estados de São Paulo e Minas Gerais, e buscam desenvolver atividades nas escolas das comunidades adjacentes que incluem a disciplina de educação ambiental na sua grade escolar. A finalidade desse suporte estudantil é desenvolver nos alunos o interesse em preservar o meio ambiente e despertar neles o risco que as queimadas podem trazer.

O diretor destaca que “é imprescindível começar a educação dentro das instituições de ensino, principalmente por se tratar da comunidade que habita próxima das fazendas. Eles se conscientizaram que o fogo descontrolado dentro das propriedades é prejudicial para todos e pode causar danos e prejuízos irreparáveis”.

 A Corporação Chilena de La Madeira (Corma), também participou da oficina e apresentou as adequações feitas no país principalmente nas áreas próximas aos vilarejos com a finalidade de reduzir o índice de queimadas na região.

Segundo o CEO da Corma, German Neumann “para ter mais segurança nos vilarejos foi necessário reduzir a quantidade de árvores nas proximidades das casas e cortar a vegetação horizontal e vertical. Foi um longo trabalho e uma barreira muito dura que só deu certo quando a vizinhança assumiu a coordenação das atividades”. 

Neste ano, o Chile contou com o auxílio de diversas aeronaves munidas de equipamentos para o combate aos incêndios. Houve também a aquisição de câmeras de vigilância de alta tecnologia operada por pessoas que monitoram constantemente os pontos que apresentaram em anos anteriores índices elevados de queimadas. Essa ajuda possibilita o empenho das forças dos brigadistas no local exato das queimadas.5

O treinamento da equipe proporcionado através de parcerias entre o estado e a empresa é um ponto chave. Segundo o Ceo da Corma, “o sucesso das missões não seria possível sem esse trabalho em conjunto. O Chile tem equipamentos que simulam incêndios e facilitam a criação logística de prevenção e combate das queimadas, além de reduzir o tempo para a resposta e controle do evento.

Ainda segundo Germann “a qualidade na capacidade dos brigadistas é fundamental para que o resultado seja positivo. O mais importante é instruir os brigadistas sobre as formas de proceder quando estiverem frente a frente com o fogo. Temos um centro de treinamento no interior da companhia, e lá são realizadas atualizações de conhecimentos para os brigadistas”.

Além do trabalho de combate, existe também uma força tarefa constante que realiza as avaliações das imagens após o controle das queimadas que contribuem para traçar planejamentos e evitar novos incêndios.

Tocantins

O Tocantins enviou uma delegação de servidores da Secretaria do Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Semarh), Instituto Natureza do Tocantins (Naturatins), Defesa Civil e Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (IBAMA) para representar o estado no encontro. Ao todo 46 técnicos ligados à temáticas ambientais estão conhecendo e aprimorando os métodos de combate e prevenção a incêndios que foram aplicados em outros estados e países.