Geral 04/04/2019 - 10:53 - Camila Mitye / Governo do Tocantins

Fase de análise de solo é iniciada no Projeto Campo Sustentável

Nova coleta será feita no futuro para comparação com a área de ILPF Nova coleta será feita no futuro para comparação com a área de ILPF - Fernando Alves / Governo do Tocantins
Amostras foram coletadas com apoio técnico da Embrapa Amostras foram coletadas com apoio técnico da Embrapa - Fernando Alves / Governo do Tocantins
Análise será feita para observar se houve melhoria das condições do solo, como a fertilidade Análise será feita para observar se houve melhoria das condições do solo, como a fertilidade - Fernando Alves / Governo do Tocantins

Conduzido pela Secretaria Estadual do Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Semarh), o Projeto Campo Sustentável iniciou neste mês a fase de coleta de material para análise do solo. Este é um dos indicadores que compõem os objetivos do projeto, elaborado para garantir a redução do desmatamento aliado ao desenvolvimento das cadeias produtivas sustentáveis. O projeto piloto está sendo executado em 25 hectares de uma área degradada na Fazenda Agropecuária Kehrle, município de Brejinho de Nazaré.

Nesta etapa, com apoio da Embrapa, os técnicos realizam a coleta de amostras de solo de uma pastagem degradada e, posteriormente, uma nova coleta será feita na área da propriedade onde está sendo feita a integração lavoura-pecuária-floresta (ILPF). “Após as análises químicas e físicas das duas amostras, os resultados devem ser comparados para observar se houve melhoria das condições do solo, como a fertilidade, por exemplo”, observa o coordenador do projeto, o engenheiro florestal Clebson Lima.

O componente agrícola da ILPF, sorgo forrageiro para silagem, já está com 40 dias de plantio e tem previsão de colheita para o mês de maio, quando será realizada a coleta do solo para análise laboratorial. O sorgo foi plantado entre as linhas das mudas de árvores nativas– ipê amarelo, ipê roxo, caju e baru, que já estão em fase de estabelecimento e crescimento, com cerca de 90 dias em campo.

REDD+

O projeto está dentro dos eixos trabalhados para a efetivação, no Tocantins, do Programa Jurisdicional de Redução das Emissões por Desmatamento e Degradação (REDD+), que visa assegurar e subsidiar programas de economia de baixo carbono, que diminuem as pressões de desmatamento e degradação e beneficiam as comunidades locais, considerando sempre as salvaguardas socioambientais. Esta primeira etapa acontece na Fazenda Agropecuária Kehrle, como projeto piloto, e a segunda fase será realizada em propriedade que já sendo selecionada.

A Semarh é a gestora do projeto, como captadora do recurso junto ao GCF (sigla em inglês para a Força Tarefa dos Governadores para o Clima e Florestas), um valor aproximado de U$ 372 mil (cerca de R$ 1,4 milhão de reais). Entre os parceiros estão o Instituto de Conservação e Desenvolvimento Sustentável da Amazônia (IDESAM), como gestor financeiro (conforme determina o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento [PNUD] – órgão vinculado à ONU selecionado para intermediar o repasse dos recursos aos estados por meio de instituições parceiras), o Instituto de Desenvolvimento Rural do Tocantins (Ruraltins), que auxiliou na seleção da propriedade rural piloto, e a Embrapa, com amplo suporte técnico.